Manifestações foram marcadas por violência e depredação em várias cidades

As manifestações de ontem (20) foram marcadas por atos de violência e depredação em várias partes do país. A imprensa brasileira divulgou, entre a noite de ontem e a manhã de hoje, que a Federação Internacional de Futebol (Fifa)estudava o cancelamento da Copa das Confederações, que vai até o dia 30 deste mês, devido aos protestos no país. A Fifa negou essa informação.

Jornais de diversos países destacaram hoje os protestos no Brasil e os episódios de violência. Autoridades internacionais também têm orientado os turistas a evitar os tumultos. A embaixada dos Estados Unidos no Brasil chegou a publicar nota de orientação a seus cidadãos.

Ontem, em diversas cidades, manifestantes depredaram prédios públicos, lojas, bancos e agrediram policiais. Em Belém, chegaram a tentar atirar pedras contra o prefeito. Em Ribeirão Perto, um manifestante morreu atropelado. 

Em Brasília, após confronto com a polícia no gramado em frente ao Congresso Nacional, onde a multidão foi dispersada após o lançamento de bombas de efeito moral e gás lacrimogêneo, os manifestantes invadiram o Palácio do Itamaraty. Hoje, a Polícia Federal faz uma perícia para avaliar os danos. O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, disse, por meio da assessoria de imprensa, que os “atos de vandalismo não podem se repetir”.

No Rio de Janeiro, a confusão foi deflagrada depois de um confronto entre os próprios manifestantes, em frente ao prédio da prefeitura. No centro da cidade, depois de quatro horas de enfrentamento entre o público e a polícia, o tumulto ainda se espalhou por outros pontos.

Em São Paulo, estima-se que cerca de 100 mil pessoas tenham comparecido à manifestação no centro da cidade. Os protestos em São Paulo foram, em grande parte, pacíficos. Os manifestantes comemoraram a revogação do aumento nas tarifas do transporte público na capital. Em nota publicadas nas redes sociais, o Movimento Passe Livre (MPL), que deu início às manifestações pela redução das tarifas de transporte público na capital paulista, repudiou os atos de violência e a depredação cometidos ontem. O MPL tambémanunciou que não convocará mais protestos em São Paulo. (AB)

Add Comment